Octávio dos Santos

72 posts
OCTÁVIO DOS SANTOS Nasci em Lisboa a 16 de Abril de 1965. Segui Sociologia no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa, onde fui um dos alunos a concluir o primeiro seminário (especialização) em comunicação daquela licenciatura. Iniciei-me no jornalismo em 1985 no jornal regional Notícias de Alverca. Estive nas revistas TV Mais e África Hoje, e ao serviço das revistas Cyber.Net, Inter.Face e Comunicações fui distinguido em 1998, 1999 e 2000 pelo Prémio de Jornalismo Sociedade da Informação. Colaborei também, entre outros, com A Capital, Diário de Notícias, Diário Digital, Diário Económico, Expresso, Fórum Estudante, O Diabo, Público, Seara Nova, Semanário, Tempo e Vértice. «Visões» foi a minha primeira obra editada - em 2003 em livro e em 2005 em disco. Em 2004 iniciei um projecto para a recriação em computador da Ópera do Tejo (destruída em 1755). Em 2006 é editado o meu segundo livro, escrito com Luís Ferreira Lopes: «Os Novos Descobrimentos». Em 2008 é editado «A República Nunca Existiu!», colectânea de contos, de que sou o criador, organizador e um dos 14 participantes. Em 2009 é editado «Espíritos das Luzes». [email protected]

Em azulejo, antes do terramoto

Foi tema de um destaque no Diário de Notícias no passado mês de Junho, mas, obviamente, não (nunca) necessita de qualquer referência especial por parte de um órgão de comunicação social para ser sempre notícia: é o dito «Grande Panorama de Lisboa», um grande (em vários sentidos) painel de azulejo […]

Dar a volta ao quarteirão

Há em Lisboa um novo empreendimento imobiliário – urbanístico, económico, comercial, arquitectónico – na Baixa que incide num edifício específico que resultou da reconstrução pombalina após o terramoto de 1755, restaurando-o, reabilitando-o. Está entre a Praça D. Pedro IV (Rossio) e a Praça da Figueira, no espaço onde outrora, antes […]

Casas listadas para serem contactadas

Enviei ontem a João Português, Presidente da Câmara Municipal de Cuba, e ainda para outras pessoas daquele municipio, para a Direcção Regional de Cultura do Alentejo, para a Associação Cultural Fialho de Almeida e para (um membro da Direcção d)a Associação Portuguesa de Escritores uma mensagem de correio electrónico contendo, […]

Uma «viagem à Lua» pela música

Neste ano de 2020 foi lançado o mais recente álbum (duplo CD) d’Os Músicos do Tejo: «Il Mondo della Luna», uma ópera estreada em 1765 com música de Pedro António Avondano (1714-1782) e libreto de Carlo Goldoni (1707-1793) – e uma obra que o grupo lisboeta já vinha ensaiando e […]

O teatro-tesouro de Ouro Preto

O teatro-tesouro de Ouro Preto

O Teatro Real do Paço da Ribeira, mais conhecido como Ópera do Tejo, foi construída(o) em Lisboa por iniciativa do Rei D. José e inaugurada em Abril de 1755, tendo sido destruída a 1 de Novembro do mesmo (fatídico) ano aquando do grande terramoto; em 2005 foram assinalados os 250 […]

MPMP 10 anos

Sobre música e o MPMP, na Glosas

Desde o dia 23 de Maio, no sítio na Internet da revista Glosas, está (juntamente com outros nove… o meu é o oitavo) o meu artigo-depoimento «Eu “voto” no MPMP!»; trata-se de um texto que Edward d’Abreu, Presidente da Direcção do Movimento Patrimonial pela Música Portuguesa e Director daquela revista, me pediu (tal […]

Menos intenso do que se pensa?

Mais de 260 anos depois de ter ocorrido, o terramoto de 1755 continua a suscitar um fascínio que parece inesgotável e infindável. Fascínio, interesse, quase obsessão que se expressam não só nos âmbitos da história e da cultura, onde através das diversas formas artísticas várias evocações e recriações vão surgindo, […]

Um Rei e Três Imperadores

Um rei e três imperadores

Foi inaugurada a 26 de Dezembro último e encerra a 5 de Abril próximo: a exposição «Um Rei e Três Imperadores – Portugal, a China e Macau no Tempo de D. João V», patente n(a galeria de exposições temporárias d)o Museu de São Roque, integrado na Santa Casa da Misericórdia […]

Capa do livro Espíritos das Luzes

«Esta obra é única»

A 8 de Abril deste ano assinalei aqui os 10 anos da publicação do meu livro «Espíritos das Luzes». Então expressei a (quase) certeza de que mais motivos existiriam no futuro para voltar a falar e a escrever sobre ele… … E eis um que é particularmente importante, significativo, para mim: no Nº […]

This Gulf of Fire (book cover)

Este golfo de fogo…

Neste ano de 2019 e mês de Novembro foi editado e apresentado em Portugal a suposta «tradução» para a nossa língua do livro de Mark Molesky «Este Golfo de Fogo – O Grande Terramoto de Lisboa, ou Apocalipse na Idade da Ciência e da Razão», editado originalmente em 2016. E […]