Após o terramoto, a reconstrução
Após o terramoto, a reconstrução

Música com «cheiro» a alecrim…

… E a manjerona: os Músicos do Tejo levam ao palco do pequeno auditório do Centro Cultural de Belém nos próximos dias 10 (às 19 horas) e 11 (às 17) de Dezembro a ópera «joco-séria» de António José da Silva (letra) e António Teixeira (música) «As Guerras do Alecrim e da Manjerona», estreada em 1737 no Teatro do Bairro Alto aquando do Carnaval daquele ano. Marcos Magalhães e Marta Araújo, líderes daquele grupo de música barroca, descrevem assim aquela ópera e o espectáculo que a partir dela vão proporcionar: «Trata-se de uma obra-prima do teatro e da música portuguesa e de importância fulcral na nossa cultura. Os Músicos do Tejo apresentam agora uma nova versão de concerto, mas que irá privilegiar o texto e o jogo teatral. Nesta “opera ao gosto portuguez”, como era denominado, na época, este género de teatro falado em português e com vários números musicais cantados com acompanhamento orquestral, encontramos um equilíbrio perfeito entre comicidade de texto, personagens e situações, beleza literária e musical, assim como de ritmo de desenvolvimento e estruturação da obra. O seu tom vai sempre variando entre múltiplos estratos: grotesco, sublime, dramático, pastoral, satírico, entre outros que se misturam num estilo que, por vezes, é rico de algo que, de maneira intuitiva, chamamos de “castiço”, mesmo que essa palavra com tanto significado para os portugueses, seja, no fundo, tão misteriosa.» Não será de surpreender, e à semelhança do que já aconteceu com os MdT em ocasiões anteriores, que estas duas apresentações no CCB sejam o ponto de partida, o pretexto, a base, para uma gravação em disco(s), a editar talvez já em 2022.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: